Trials & Tribulations é, até agora, o único disco da dupla composta por Frederikke Hoffmeier do Puce Mary e Jesse Sanes Liebestod. O som do JH1.FS3 é um pouco diferente do que ambos andam fazendo sozinhos mas usa de referências em comum. Algumas vezes, eles descrevem o novo projeto como um cinema para os ouvidos devido ao apelo de refletir uma experiência fora do comum através de elementos que apresentam uma certa familiaridade.

Trials & Tribulations do JH1.FS3

Trials & Tribulations é, até agora, o único disco da dupla composta por Frederikke Hoffmeier do Puce Mary e Jesse Sanes Liebestod. O som do JH1.FS3 é um pouco diferente do que ambos andam fazendo sozinhos mas usa de referências em comum. Algumas vezes, eles descrevem o novo projeto como um cinema para os ouvidos devido ao apelo de refletir uma experiência fora do comum através de elementos que apresentam uma certa familiaridade.

A Night at the Garden é um curta documentário que acaba causando uma certa revolta interna desde seus primeiros momentos. E essa sensação só vai piorando enquanto você vai vendo situações quase surreais se desenvolvendo na sua frente. O horror ainda piora quando chega no final e você realmente entende o que acabou de assistir.

A Night at the Garden — um documentário de Marshall Curry

A Night at the Garden é um curta documentário que acaba causando uma certa revolta interna desde seus primeiros momentos. E essa sensação só vai piorando enquanto você vai vendo situações quase surreais se desenvolvendo na sua frente. O horror ainda piora quando chega no final e você realmente entende o que acabou de assistir. O filme em si mostra… Read More »A Night at the Garden — um documentário de Marshall Curry

For My Crimes é o último disco de Marissa Nadler, lançado em setembro de 2018. A sonoridade aqui é mais próxima do folk que ela toca há anos e foge um pouco das atmosferas de post-rock que ela explorou no seu disco anterior, Strangers. Acho que, por isso mesmo, esse disco acabou soando mais como um retorno do que como algo realmente novo.

For My Crimes da Marissa Nadler

For My Crimes é o último disco de Marissa Nadler, lançado em setembro de 2018. A sonoridade aqui é mais próxima do folk que ela toca há anos e foge um pouco das atmosferas de post-rock que ela explorou no seu disco anterior, Strangers. Acho que, por isso mesmo, esse disco acabou soando mais como um retorno do que como… Read More »For My Crimes da Marissa Nadler

A banda japonesa conhecida como Open Reel Ensemble encontrou uma forma diferente e bem única para fazer músicas. Eles usam daquelas fitas de gravações profissionais como elementos de percussão e criam sons bem diferentes e criam músicas de um jeito que eu nunca esperava escutar.

Como o Open Reel Ensemble faz música com fitas de áudio de gravação profissional

A banda japonesa conhecida como Open Reel Ensemble encontrou uma forma diferente e bem única para fazer músicas. Eles usam daquelas fitas de gravações profissionais como elementos de percussão e criam sons bem diferentes e criam músicas de um jeito que eu nunca esperava escutar. A banda é feita de Ei Wada, Haruka Yoshida e Masaru Yoshid emexiste desde 2013.… Read More »Como o Open Reel Ensemble faz música com fitas de áudio de gravação profissional

Manes é uma dessas bandas da Noruega que começou a gravar seguindo um estilo mais próximo do black metal mas que, com o passar dos anos, foi se distanciando do estilo quase que completamente. Em Slow Motion Death Sequence, o quinto disco da banda, fica até difícil conseguir colocar uma categorização na música que eles fazem.

Slow Motion Death Sequence do Manes

Manes é uma dessas bandas da Noruega que começou a gravar seguindo um estilo mais próximo do black metal mas que, com o passar dos anos, foi se distanciando do estilo quase que completamente. Em Slow Motion Death Sequence, o quinto disco da banda, fica até difícil conseguir colocar uma categorização na música que eles fazem. Talvez, por isso mesmo,… Read More »Slow Motion Death Sequence do Manes

Àmr parece ser o tipo de disco que segue com a sonoridade que Ihsahn estava perseguindo desde seus primeiros discos solo. Aqui o som é uma espécie de metal progressivo cheio de sintetizadores, vocais limpos e guitarras complexas e pesadas. Particularmente, eu acho fenomenal e por isso mesmo estou escrevendo esse review por aqui.

Àmr do Ihsahn, um dos melhores discos de metal progressivo de 2018

Àmr parece ser o tipo de disco que segue com a sonoridade que Ihsahn estava perseguindo desde seus primeiros discos solo. Aqui o som é uma espécie de metal progressivo cheio de sintetizadores, vocais limpos e guitarras complexas e pesadas. Particularmente, eu acho fenomenal e por isso mesmo estou escrevendo esse review por aqui. Existem algumas pitadas de black metal… Read More »Àmr do Ihsahn, um dos melhores discos de metal progressivo de 2018