Skip to content
Há uns dias, publiquei no meu facebook que havia sonhado que tocava com Jerry Cantrell uma estranha versão de My Song e fiquei com essa música na cabeça.

Boggy Depot do Jerry Cantrell

Há uns dias, publiquei no meu facebook que havia sonhado que tocava com Jerry Cantrell uma estranha versão de My Song e fiquei com essa música na cabeça. Lembro de acordar e colocar o Boggy Depot para tocar pela primeira vez em muitos anos. E lembrei de quanto eu escutei esse disco lá em 1998.

Jerry Cantrell era quem compunha quase tudo que você escutou no Alice in Chains mas eu nunca gostei muito do Alice in Chains. Não sei o porquê mas essa é uma banda que nunca me empolgou de fato. Até me lembro que achei estranho gostar tanto desse primeiro disco solo do guitarrista do Alice in Chains. Mas Boggy Depot não parece em muita coisa com o Alice in Chains. Pelo que eu lembro, Jerry Cantrell comentou numa entrevista na época de que as músicas do Boggy Depot foram compostas para um futuro disco do Alice in Chains que acabou nunca acontecendo. E como a maioria das músicas da banda eram sobre os vícios do Layne Staley, talvez, todo o clima das músicas mude com a voz de outra pessoa.

Mesmo assim, Boggy Depot me lembra muito o Alice in Chains. Já li por ai que as músicas desse disco não lembram em nada o início da carreira do Alice in Chains e por isso mesmo é interessante ver como o fim da banda liberou o Jerry Cantrell para compor como ele gostaria. Sem o peso do vício e do nome da banda. Músicas como Dickeye poderiam ser hinos do rock caso tivessem sido cantados pelo Alice in Chains, apesar de não ter uma sonoridade nada similar ao que a banda fazia. Além disso, ainda temos o Rex Brown, do Pantera, tocando baixo nessa música.

Minha música favorita desse disco é My Song e lembro bem de escutar ela quase que diariamente no Gás Total na MTV lá em meados de 1998. Cut You In também é uma das músicas mais fortes desse disco que deve ser escutado inteiramente, afinal, nenhuma música aqui deveria ser deixada de lado. Hurt a Long Time e Between tem uma sonoridade quase de southern rock e não soam fora de lugar nesse disco que é complicado de classificar mas que ainda tem muito do grunge.

Nesse primeiro trabalho solo do Jerry Cantrell, dá para ver que ele conseguiu muito mais do que ele esperava. Ainda lembro de ver a capa desse disco em uma das lojas de discos que costumava ir quando adolescente em Belo Horizonte e ficar surpreso com aquilo. Fiquei ainda mais surpreso quando descobri que o Jerry Cantrell sabia cantar bem e que ele tinha lançado um ótimo disco.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.