blog.ftofani.com / Esse é o blog pessoal do Felipe Tofani. Onde ele escreve e comenta sobre tudo que acha interessante mas não necessariamente é.

Slow Motion Death Sequence do Manes

Manes é uma dessas bandas da Noruega que começou a gravar seguindo um estilo mais próximo do black metal mas que, com o passar dos anos, foi se distanciando do estilo quase que completamente. Em Slow Motion Death Sequence, o quinto disco da banda, fica até difícil conseguir colocar uma categorização na música que eles fazem.

Manes é uma dessas bandas da Noruega que começou a gravar seguindo um estilo mais próximo do black metal mas que, com o passar dos anos, foi se distanciando do estilo quase que completamente. Em Slow Motion Death Sequence, o quinto disco da banda, fica até difícil conseguir colocar uma categorização na música que eles fazem. Talvez, por isso mesmo, esse disco tenha tocado constantemente aqui no meu headphone. Tocou tanto que resolvi escrever esse review aqui.

Meu interesse por música cresceu e se desenvolveu no final dos anos noventa. Uma época que muita gente acaba conectando muito com o cenário new metal americano, de bandas como Korn, Limp Bizkit, Slipknot e Coal Chamber. Porém, ao mesmo tempo que essas bandas alcançavam um mainstream, existia um cenário mais experimental que criou bandas como o Cave In, Mastodon, Pig Destroyer, Dødheimsgard, Today is the Day e outras tantas. Uma dessas bandas foi o Manes.

O Manes começou a existir no final dos anos noventa porém a banda começou com o nome de Perifa em 1991 e depois mudou de nome para Obscuro. Foi em 2003 que eles lançaram seu primeiro disco que chamou um pouco minha atenção, o Vilosophe. Nesse disco, eles experimentavam com música eletrônica e com metal de um jeito bem peculiar. Com How the World Came to an End, de 2007, eu me apaixonei pela música da banda e passei a esperar ansiosamente por novos lançamentos. Em 2014, veio o Be All End All e agora temos Slow Motion Death Sequence.

Slow Motion Death Sequence captura todo o experimentalismo dos discos anteriores e coloca tudo num patamar ainda mais complexo. Aqui, jazz, pop, hip-hop, metal e música eletrônica se misturam de um jeito que só consigo comparar com o que o Ulver anda fazendo nos últimos anos.

É realmente complicado tentar descrever o que o Slow Motion Death Sequence é e o som do Manes sempre fluiu nessa direção para mim. Imagine misturar jazz, metal, pop, progressivo, trip-hop, industrial e colocar os adjetivos de post, perturbador, dark e hipnótico junto. É meio isso que o Manes é e eu acho isso fenomenal. Esse disco já está no meu Top 2018.

Se você não gosta de música progressiva, nem de pop e metal, esse disco pode ser para você e eu começaria escutando a primeira música do Slow Motion Death Sequence que está logo abaixo.

Manes – Endetidstegn (Official Video)

Manes of Norway unveil their first ever music video, and the first visual companion to their new record, “Slow Motion Death Sequence”. Directed by Guilherme Henriques, “Endetidstegn” presents a bleak window into a personal form of apocalypse, the inevitable demise handed down by the vengeful Gods of modern man, vice, alcohol, drugs…

Slow Motion Death Sequence do Manes